Picture of author.

Wisława Szymborska (1923–2012)

Author of View with a Grain of Sand

121+ Works 4,294 Members 62 Reviews 42 Favorited

About the Author

Wislawa Szymborska was born in Bnin, Poland on July 2, 1923. After the Nazis invaded Poland in September 1939, she found work as a railway clerk to avoid deportation to Germany as a forced laborer. In her free time, she studied at illegal underground universities. After World War II, she resumed show more her formal studies in Polish literature and sociology at Jagiellonian University, but never earned a degree. In 1945, she published her first poem, I Am Looking for a Word, in a weekly supplement to the local newspaper. Her first book of poetry was published in 1952. Her other volumes of poetry include View with a Grain of Sand, People on a Bridge, Sounds, Feelings, Thoughts: Seventy Poems, and Here. In 1991 she won the Goethe Prize and in 1995 she was awarded the Herder Prize. She won the Nobel Prize for Poetry in 1996 and was awarded The Order of the White Eagle in recognition of her contribution to her country's culture in 2011. From 1953 to 1981, she worked as a poetry editor and columnist for the literary weekly Literary Life, where she wrote a column called Non-Required Reading. She died of lung cancer on February 1, 2012 at the age of 88. (Bowker Author Biography) show less
Image credit: From Owen Barfield Website

Works by Wisława Szymborska

View with a Grain of Sand (1993) 1,211 copies
Poems New and Collected (1997) 852 copies
Here (2009) 210 copies
Sounds, Feelings, Thoughts (1981) 161 copies
Monologue of a Dog (2002) 136 copies
Due punti (2005) 89 copies
Instante (1900) 82 copies
People on a Bridge: Poems (1989) 65 copies
Dikter 1945-2002 (2003) 42 copies
Basta così (2011) 34 copies
Poemas (2011) 30 copies
Zwart lied gedichten (2014) 18 copies
Antología poética (2015) 13 copies
Nära ögat (1996) 12 copies
Wiersze wybrane (2000) 12 copies
Sata Szymborskaa (2003) 11 copies
Saltaré sobre el fuego (2015) 11 copies
PROSAS REUNIDAS (2017) 9 copies
Opere (2008) 9 copies
Hetki (2004) 8 copies
Verrukking en wanhoop (1997) 8 copies
Zo is het genoeg (2013) 8 copies
25 poesie (1998) 7 copies
Ogni caso (2003) 7 copies
Taccuino d'amore (2002) 6 copies
Maja Forslund : Akt (2010) — Author — 5 copies
Alguns gostam de poesia: antologia (2004) — Author — 5 copies
סוף והתחלה (1996) 5 copies
Poezijos rinktinė (1998) 4 copies
Wiersze (Polish Edition) (2003) 4 copies
Poezje (1987) 4 copies
Sale (2005) 4 copies
Błysk rewolwru (2013) 4 copies
Wiersze wszystkie (2023) 4 copies
Grande numero (2006) 4 copies
Sena dikter (2018) 2 copies
Utopia (1989) 2 copies
Beetati Sadi Mein (1999) 2 copies
Sto pociech 1 copy
Szymborska 1 copy
Życie na poczekaniu (1996) 1 copy
Wiersze wybrane CD: 1 (2012) 1 copy
Oma aja lapsed (2008) 1 copy
Liebesgedichte (2005) 1 copy
Wiersze Zielniki (2012) 1 copy
Salz: Gedichte (1997) 1 copy
Sretna ljubav (2011) 1 copy
Met moment 1 copy
Wszelki wypadek (2022) 1 copy
Sol (2022) 1 copy
Poesía Completa (2024) 1 copy
Poesía Completa (2024) 1 copy
Nr̃a g̲at 1 copy
diVersi 1 copy

Associated Works

180 More: Extraordinary Poems for Every Day (2005) — Contributor — 365 copies
Against Forgetting: Twentieth-Century Poetry of Witness (1993) — Contributor — 336 copies
The Vintage Book of Contemporary World Poetry (1996) — Contributor — 311 copies
The Penguin Book of Women Poets (1978) — Contributor — 298 copies
The Virago Book of Wicked Verse (1992) — Contributor — 82 copies

Tagged

Common Knowledge

Canonical name
Szymborska, Wisława
Legal name
Szymborska, Wisława
Other names
Stańczykówna (pseudonym)
SZYMBORSKA, Wisława
SZYMBORSKA, Wislawa
Birthdate
1923-07-02
Date of death
2012-02-01
Gender
female
Nationality
Poland
Birthplace
Bnin, Poland (near Poznan)
Place of death
Krakow, Poland
Places of residence
Bnin, Poland (near Poznan)
Krakow, Poland
Education
The Jagiellonian University, Krakow, Poland (Polish literature ∙ Sociology)
Occupations
poet
essayist
translator
artist
Organizations
American Academy of Arts and Letters (Foreign Honorary, Literature, 1999)
Awards and honors
Nobel Prize (Literature, 1996)
Goethe Prize
Herder Prize
Short biography
Wisława Szymborska was born in a small town in western Poland. In 1931, her family moved to Kraków, where Wisława lived and worked for the rest of her life. At the outbreak of World War II, she continued her education in underground classes. From 1943, she was employed as a worker on the railroad and thus managed to avoid deportation to Germany for forced labor. During this time her career as an artist began with illustrations for an English-language textbook. She began writing stories and occasional poems. In 1945, she began studying Polish literature before switching to sociology at the Jagiellonian University. She published her first poem "Szukam słowa" (Looking for Words) in the daily newspaper Dziennik Polski in 1945. Her poems continued to be published in various newspapers and periodicals for a number of years. In 1948, she was forced to quit her studies without a degree due to financial problems. That same year, she married Adam Włodek, also a poet; the couple divorced in 1954. She worked as a secretary and illustrator for an educational biweekly magazine. Her first book was to be published in 1949, but it did not pass Communist censorship requirements. Wisława Szymborska used socialist themes in her early work, as seen in her debut collection Dlatego żyjemy (That is What We are Living For), and became a member of the ruling Polish United Workers' Party.
Like many other Polish intellectual, however, she gradually grew disillusioned by socialist ideology and renounced her earlier political work. Although she did not officially leave the party until 1966, she began to establish contacts with political and artistic dissidents.
In 1953, she joined the staff of the literary review Życie Literackie (Literary Life), where she continued to work for nearly 30 years, and from 1968 had her own book review column. Many of her essays from this period were later published in book form. She was also an editor of the monthly magazine NaGlos. In the 1980s, she intensified her oppositional activities, contributing anonymously to the samizdat literature, as well as to the Paris-based periodical Kultura. She also translated French literature into Polish, in particular the works of Agrippa d'Aubigné. She published 15 books of poetry and became internationally famous after winning the Nobel Prize for Literature in 1996.

Members

Reviews

It's a collection of short esseys about books and I love it. The esseys are extremely witty and funny and reading them is a real treat for me. Five stars.
 
Flagged
Donderowicz | Mar 12, 2024 |
These poems were painfully bad, so bad, that they actually made me laugh. It's a shocking contrast to her later poems. Still, I'm glad I read this book, just to learn something about the beginnings of the author. Two weak stars, should be one, but it's Szymborska.
 
Flagged
Donderowicz | Mar 12, 2024 |
Black Song — 3.0✲
A Canção Negra de uma Jovem Polonesa /
The Black Song of a Young Polish Poet
96pp

Conhecendo todo o contexto do livro, Canción Negra é agradável. Ao que se propõe — mostrar um outro lado da poeta polaca — é exímio; a edição é lindíssima, com lindas ilustrações, é um must para qualquer admirador da Wislawa. Em contrapartida, veementemente desaconselho-o a alguém que está começando na obra da polaca: é um livro que necessita de contexto, fruto de sua época conturbada, e até renegado pela autora. "Este livro deve ser lido de uma forma impossível, como se fosse uma coleção de poemas de estreia. Mas se assim fosse, é provável que ninguém continuasse a ler a Szymborska"; não podia ser mais perfeita a colocação da tradução castelhana (a edição da Nórdica Libros é um primor.)

A introdução, dessa mesma edição, ainda acrescenta, vulgarmente: é verdadeiramente um abismo que separa a obra da polaca, há aqui e ali lapsos da poeta vencedora do Nobel, mas são raros, e entrecortados por diversos poemas de guerra e de vanguarda pouco inspirados. A maioria desses poemas são datados de imediatamente após a Segunda Guerra Mundial e o peso desse pesadelo está, inevitavelmente, sempre presente; não que seja este um tema ruim — ou que exista algo como um tema ruim — a gente encontra, veremos abaixo, um bom poema sobre a situação dos judeus, mas por menos afinidade ou por inexperiência, não parece ser uma área em que ela consiga se sobressair (isso com base nos primeiros e “verdadeiros” livros dela que li).

Indiretamente, este livro também conta uma lição de humildade; que uma das maiores poetas do leste-europeu não nasceu pronta de uma forma; seus versos foram destilados, escritos, reescritos, amassados e jogados no lixo, um após o outro, até encontrar a sua voz. Temos aqui dezenas de poemas que são essas tentativas, exemplos da eterna curiosidade e busca com que ela fala sobre em "Poeta e o Mundo", ou nos inspirados e ácidos conselhos literários reunidos no "How to Start Writing (and When to Stop)" que deixo recomendado a todos que escrevem, seja como passatempo ou como ambição. Ela têm, fora da poesia, uma prosa ácida, astuta e engraçada, que fica claro em suas “Prosas Reunidas”, que reúne resenhas que vão desde "o calendário do ano vigente" até um “dicionário chinês”. (eu traduzi alguns livremente: aqui e aqui.)

Voltando a Canção Negra, a disparidade entre poemas é muito grande mesmo dentro desse livro, imagina então quando comparado com toda obra da polaca, chega a ser injusto. Mas, seleciono aqui alguns que foram meus favoritos dessa pequena coletânea:

BUSCO LA PALABRA: A sua estreia em meio a guerra, com aproximadamente vinte e um anos, surpreende por ser um ótimo vislumbre da Wislawa que posteriormente venceria o Nobel.
Em Busco la Palabra ela nos diz que sozinha, uma palavra não basta para transmitir ou descrever a dor, a solidão, a desgraça, o abuso. Mas junto da poesia, isso é possível; transcrever a linguagem de um relâmpago, um olhar de espanto, o momento do susto, a falta de razão.

A busca por voz própria também é refletida, mesmo que ela estivesse alheia à isso; buscava ela a palavra exata que melhor ressoaria o seu eu, e que conquistaria o mundo.

"La (palavra) más valiente – cobarde,
La más desdeñosa – aún santa
La más cruel – demasiado
misericordiosa,
La más odiosa - poco porfiada"


DEDICADO A LA POESÍA: Um dos melhores. Sobre trocar os olhos por palavras defronte a uma cena; também sobre o medo da morte e do "pátio vazio", imagem que me lembra um pouco do Borges em seu "Fervor de Buenos Aires", caminhando entre pátios, ocasos, sombras, cemitérios...

"Antes que o jardim seja ofuscado pelas sombras, antes que as nuvens negras cubram o céu azul, antes que o sol se ponha e o mar escureça; devo transformar meus olhos em palavras."

TRANSPORTE DE JUDÍOS: Um bom modo de vislumbrar o peso da guerra sobre esses poemas, é pensar que a Cracóvia em que a Wislawa escrevia esses versos é a mesma da "Lista de Schindler" e todas suas "personas"; é inevitável que esse acontecimento flua para seus textos, e Transporte de Judeus é um dos bons exemplos.

"Fuera está el mundo entero:
la lejanía repleta de bosque,
las colinas abrevadas en sus fuentes
y la muerte en la plenitud del aire.
Pero a ellos (-encerrados en el desenfreno de los raíles-)
les cambiaron los rostros por una estrecha oscuridad.
Enmudecieron los gritos en el sordo plomo.
Testimonio de la profundidad de la tierra."


ERÓTICO BURLESCO: Curto, sucinto, enigmático e com bons versos.
"Não existo em mim, sou a função de uma força. Um símbolo no ar ou os círculos na água…"

BALADA HOY: Talvez meu favorito, junto com Busco la Palabra e Dedicado a la Poesia.

"Sacode as flores das árvores,
e o sol sempre emociona
como a primeira alegria de um menino
que tenta capturar em suas mãos
a mais vaporosa das nuvens."


ONCE WE HAD THE WORLD: Outro dos que mais remetem ao futuro estilo em que a Wislawa se consagraria; LEAVING THE MOVIE THEATER: O final de um filme, e o retorno ao mundo real. Onde há a tristeza sem ensaio, o luto não pode existir sem perda. O garoto, sem os braços. A garota, com olhos vazios.

Há quem se interesse pelos “poemas históricos” da invasão nazista e guerra na Polônia, então apenas enumerarei alguns que apesar de não terem atraído minha atenção, podem ser interessantes para outros: La Cruzada de Los Ninos, Memoria de Enero, Memoria de Septiembre e Carta a Occidente.

- - - -

Após esse primeiro volume, tenho acesso apenas a alguns poemas espaçados, dá até para contá-los nos dedos, daqui até sua estreia oficial transcorrem-se quase dez anos, e pouca ou nenhuma tradução, então permita-me aglutiná-los (os dois que mais gostei) aqui:

In Trite Rhymes (do Why We Live):

“Uma grande felicidade: botões sobre botões de flores,
galhos que se estendem em prístino azul,
mas há uma felicidade maior: hoje é segunda
e o amanhã trará uma mensagem sua.”

"A great joy: flower upon flower,
the branches stretch in pristine blue,
but there’s a greater: today’s Tuesday,
tomorrow will bring mail from you"


Questions You Ask Yourself: O poema que batiza o volume. Alguns bons versos, sobre amizade e primeiras impressões.

"How do you tally your losses?
Stunted friendships,
frozen worlds."



ps. as tentativas de tradução do espanhol e do inglês são minhas, e antes de julgar a qualidade dos poemas, ou, nos links, da prosa da polaca, julgue a minha como tradutor por hobby.

- - - -

Desde que retomei o hábito da leitura lá pelo fim de 2019, tenho vontade de superar meu "medo" de poesia. Sempre que dava de cara com algum bom poema ou coleção interessante, eu apreciava, mas então corria, me escondia e postergava.

Até que, por coincidência, num dos blogs literários aleatórios da internet, encontrei o discurso do Nobel de Literatura da Wislawa (acha-se facilmente no google, recomendo). E cara, aquilo foi o basta.

A Polonesa me deu um tapa na cara e me tomou pela mão; em direção, é claro, aos seus enxutos, engraçados, casuais e profundos volumes.

Volumes estes que foram reunidos — parcialmente — em diversos idiomas. Tenho aqui comigo, para o plano de leitura: View with Grain of Sand, Map e Poems New and Collected (Inglês). Poesia no Completa e Cancion Negra (Espanhol). Poemas e Um Amor Feliz (Português).

Peguei tudo emprestado no Z Library (hihihi).

Com tudo em mãos (figuradamente), decidi começar cronologicamente; do pior para o melhor.

E não, não sou eu que digo isso, não tenho propriedade nem auto-estima suficiente para chamar algo de pior, é a própria autora quem diz; a velhinha simpática até queimou a maioria dos manuscritos antigos pouco antes de morrer, e se não com um sorriso no rosto, com a sensação de justiça e um olhar concentrado.

Ela considerava que sua verdadeira estreia só havia ocorrido praticamente dez anos e três livros depois, com “Chamando pelo Yeti”, que marca uma clara mudança em seu estilo de poesia, que passava a ser mais pessoal e existencial, ainda que universal.

A nota dos tradutores espanhóis exemplificam bem o motivo de eu querer ler um livro que foi duramente criticado e rejeitado pela própria autora: "(…) primeros poemas, poemas de juventud que sorprenderán a muchos de los lectores por el abismo que los separa de la obra hasta este momento publicada en español."

Eu já havia dado uma rápida espiada em alguns poemas do Chamado do Yeti (1957) e Sál (1962): Museus, Elegia de Viagem e Nada Duas Vezes (em Português), e, Poetry Reading, e Notes from a Nonexistent Himalayan Expedition (em Inglês); todos estes extremamente bonitos, singelos e/ou interessantes.

Então, antes de prosseguir, prefiro retroceder, e dar uma olhada no "abismo" que, segundo os espanhóis, separa a obra da polaca.

Hora de ouvir suas primeiras palavras; escutar a canção negra, e:

«permite echar una mirada a ese crisol en el que empezaba a conformarse la noble amalgama de su poesía» (vislumbrar o caldeirão onde o nobre amálgama da sua poesia começava a se formar).

- - - -

Síntese de Bar (mais para mim do que para vocês): É um livro que eu dificilmente recomendaria, a não ser a outro admirador da poeta polaca, mas ainda sim, com ressalvas. Mas é interessante, ainda sim, e não é como se não houvesse NENHUM poema bonito ou inspirado. É só que, é uma poetisa iniciante, em meio à guerra, buscando por sua voz. E a guerra, como sabemos, suga tudo.

É uma coleção póstuma, que a autora, sempre cínica e mordaz, não conseguiu queimar antes de ir de comes e bebes, e a publicação se dá por parte da editora. Ainda sim, deve ter um outro peso - mais profundo - para os poloneses e outrém daquela época; e acho que sim, dessa vez a editora fez bem em publicar a coleção, mesmo que isso envolva ganhar dinheiro com o selo “Nobel” na capa do livro póstumo. Mais uma vez, relevo pela lindeza da edição.
… (more)
 
Flagged
RolandoSMedeiros | Aug 1, 2023 |
“Nada acontece duas vezes
nem acontecerá.
Eis nossa sina.
Nascemos sem prática
e morreremos sem rotina.

Nem um dia se repete,
não há duas noites iguais,
dois beijos não são idênticos,
nem dois olhares tais quais.”

-x-


"Nothing can ever happen twice.
In consequence, the sorry fact is
that we arrive here improvised
and leave without the chance to practice.

Even if there is no one dumber,
if you're the planet's biggest dunce,
you can't repeat the class in summer:
this course is only offered once

Why do we treat the fleeting day with so much needless fear and sorrow?
It's in its nature not to stay:
Today is always gone tomorrow."

… (more)
 
Flagged
RolandoSMedeiros | Aug 1, 2023 |

Lists

Awards

You May Also Like

Associated Authors

Statistics

Works
121
Also by
14
Members
4,294
Popularity
#5,847
Rating
4.2
Reviews
62
ISBNs
270
Languages
24
Favorited
42

Charts & Graphs